Segundo candidata, ‘ele sempre defendeu’ a liberdade de imprensa. Em comício, presidente comparou jornais a partidos políticos.

Maria Angélica Oliveira Do G1, em São Paulo

  A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, classificou nesta quarta-feira (22) como “contraditória” a crítica do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à imprensa.
“Acho que o presidente fez uma crítica à imprensa que é, inclusive, contraditória com toda a sua trajetória e com a nossa trajetória dentro do PT, na época em que eu fazia parte [do partido]. Ele sempre defendeu, e eu vi, ele defendendo a liberdade de imprensa”, disse.

No último sábado (17), Lula afirmou durante comício em Campinas (SP) com a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, que que nestas eleições o PT irá derrotar não só o PSDB, mas também alguns donos de jornais que, segundo ele, se comportam como partidos políticos. Nesta terça (21), ele afirmou no Tocantins que “liberdade de imprensa não significa que você pode inventar coisa o dia inteiro”. A Associação Nacional de Jornais classificou como “lamentável” a opinião do presidente.

  A candidata do PV se disse defensora da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa. “A imprensa deve fazer uma cobertura isenta, equitativa e deve se ater a fatos”, defendeu Marina.


Atividades de campanha

Nesta quarta-feira, dia em que se comemora o Dia Mundial sem Carro, Marina concentrou suas atividades de campanha em um estúdio em São Paulo, onde é gravado o programa eleitoral da campanha da candidata.
Questionada por que não utilizou transporte público para ir até o local, Marina afirmou que cumprir agendas de candidata utilizando o serviço, dentro das atuais condições do sistema de transporte, é muito difícil. Ela defendeu que ônibus e metrôs sejam integrados para facilitar a mobilidade da população.

Mais cedo, Marina assinou um termo de compromisso com a política de defesa dos direitos da criança, gravou programas eleitorais e participou de uma reunião da coordenação política, para fazer o planejamento da reta final da campanha.

Ela se disse otimista em relação ao que chamou “onda verde”, isto é, as intenções de voto que, de acordo com ela, podem levá-la ao segundo turno.

A candidata do PV afirmou que nos últimos dias de campanha pretende visitar pelos menos um estado de cada região do país. Nesta quinta-feira (23), ela cumprirá agenda em Cuiabá (MT) e na sexta (24) deverá ir para Brasília (DF).

Fonte: G1